História – Faculdades Pequeno Príncipe

História

Faculdades Pequeno PrincipeA história da Faculdades Pequeno Príncipe teve início em 1935, 68 anos antes de seu surgimento. Foi nesse momento que as escolas de Medicina de Curitiba fizeram uma parceria com o então Hospital de Crianças (que em 1951 passou a ser denominado Hospital de Crianças Dr. César Pernetta). O objetivo era dar condições de formação e aperfeiçoamento a estudantes e profissionais da área da saúde no que se referia ao atendimento de crianças e adolescentes.

Em agosto de 1956, deu-se a criação da Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro, mantenedora de todo Complexo Pequeno Príncipe. E no início dos anos 70, mais um hospital foi criado: o Pequeno Príncipe, que nasceu com o objetivo de potencializar o cuidado à criança e deu o pontapé inicial para a criação do Complexo. Com o passar dos anos,  novas parcerias eram firmadas entre o Complexo Pequeno Príncipe e outras escolas de ensino superior de Medicina de Curitiba. Em 1996, foi criado o Centro de Educação Profissional, com o objetivo de formar profissionais técnicos em Enfermagem.

Havia também uma necessidade de formar pesquisadores da área da saúde. Ao mesmo tempo, percebeu-se que o Complexo já tinha condições de oferecer preparo acadêmico a profissionais de saúde, uma vez que possuía um grande acervo de conhecimento prático e teórico, fruto dos quase 100 anos de trabalhos na área da saúde.

Por isso, em 2001, a diretoria da Associação Hospitalar de Proteção à Infância Dr. Raul Carneiro encaminhou ao Ministério da Educação um documento solicitando o credenciamento de uma instituição de ensino superior que contaria, em um primeiro momento, com os cursos de graduação em Enfermagem e Técnico em Enfermagem.

A autorização do MEC (Portaria n.º 3.695) veio em 2003, possibilitando a abertura da primeira turma de Enfermagem, o que de fato se concretizou em 2004. Nascia o Instituto de Ensino Superior Pequeno Príncipe (Iespp). Depois disso, o MEC também autorizou a criação do curso de Biomedicina (Portaria n.º 597) – pioneiro em Curitiba –; o de Farmácia (Portaria n.º 1.097); de Psicologia (Portaria n.º 8); e de Medicina (Portaria n.º 170).

No ano de 2004, a instituição passou a oferecer cursos de pós-graduação lato sensu. Os primeiros implantados foram de Psicologia Hospitalar e da Saúde; Auditoria para Hospitais, Serviços, Sistemas e Planos de Saúde; Enfermagem com Ênfase em Pediatria; e MBA em Gestão da Saúde. Outros foram incorporando-se à grade oferecida, que hoje comporta o que há de mais atual em termos de especialização.

As conquistas de 2007

Em junho de 2007, o reposicionamento da marca da unidade educacional do Complexo levou a uma mudança no nome da instituição, que passou a se chamar Faculdades Pequeno Príncipe. O resposicionamento fez parte de um cuidadoso processo de revitalização e modernização de todas as marcas do Complexo Pequeno Príncipe. E foi também a coroação da maturidade da instituição, que, dentro de uma reconhecida evolução acadêmica, constituiu e oficializou os centros acadêmicos dos três cursos de graduação que oferecia na época.

Em agosto de 2007, a grande conquista foi a autorização que a Faculdades Pequeno Príncipe recebeu da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes/MEC para ofertar o curso de Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Aplicada à Saúde da Criança e do Adolescente. O Programa recebeu dos avaliadores da Capes nota 5, sendo que no Paraná apenas duas instituições alcançaram esta pontuação.

Outro importante marco de 2007 foi a conclusão da primeira turma de graduação em Enfermagem. Os 21 alunos foram aprovados pelas bancas examinadoras e conseguiram boas colocações no mercado de trabalho já no primeiro ano após a formatura.

Faculdade é recredenciada em 2009 com nota máxima

Em junho de 2009, uma comissão do MEC esteve na Faculdades Pequeno Príncipe para fazer a avaliação de recredenciamento institucional. Após ler diversos documentos e entrar em contato com professores, alunos e membros da CPA para averiguar as condições de trabalho, estudo, estágio e demais fatores essenciais a uma boa instituição de ensino superior, os avaliadores chancelaram o reconhecimento com a nota máxima (5), em um universo que vai de 1 a 5.

Novos cursos de graduação, início da Residência Multiprofissional e fim do curso Técnico em Enfermagem

Em 2010, a Faculdades Pequeno Príncipe obteve mais uma importante conquista: recebeu autorização do MEC (Portaria n.º 8) para abrir o curso de Psicologia. Anos depois, em 2014, viria a realizar outro sonho: foi autorizada a oferecer o curso de Medicina (Portaria n.º 170).

Em dezembro de 2012, após rigoroso processo, recebeu credenciamento dos Ministérios da Educação e da Saúde para oferecer a Residência Multiprofissional nas áreas de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia e Psicologia.

No ano de 2015, formou a última turma do curso Técnico em Enfermagem, oferecido pelo Centro de Educação Profissional Pequeno Príncipe durante 19 anos.